josé pedro croft

Nasceu no Porto em 1957. Vive e trabalha em Lisboa. A sua obra transita sem hierarquias entre escultura, desenho e gravura.

O escultor foi determinante na definição daquilo que foi, nos anos de 1980, o chamado "regresso à escultura". Através do trabalho da pedra e da figuração, recuperou uma dimensão literária, poética e subjectiva para o discurso da disciplina. Actualmente, a continuidade desses vectores entendem-se ainda na permanente relação das suas peças (de cariz minimalista) com os valores de reflexão do vidro e dos espelhos, com os valores sensorais da cor e do metal, transformando espaço envolvente, arquitectónico ou natural, galerístico ou urbano.

Está representado nas colecções do Centro de arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, Colecção de Arte da Fundação EDP, Fundação Luso-Americana, Fundação de Serralves, Secretaria de estado da Cultura (Portugal), Fundació La Caixa (Espanha), Caixa Geral de Depósitos (Portugal), Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia (Espanha), Museu Berardo (Portugal), Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (Brasil), Pinacoteca do Estado de São Paulo (Brasil), Caj Madrid (Espanha), Banco de España (Espanha), Banco Central Europeu, Sammlung Albertina (Áustria).