carlos nogueira

Nasceu em Moçambique, em 1947. Vive e trabalha em Lisboa.

Estudos de escultura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto e de pintura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa.

Bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian (1982-1983), da Secretaria de Estado da Cultura (1989-1990) e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (1989).

Prémio Camões da II Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira (1980) e Menção Honrosa na Bienal Internacional de Escultura e Desenho das Caldas da Rainha (1995).

O artista trabalha a partir de temas, materiais e formas enraizados em memórias e rituais arcaicos da cultura. Matérias arcaicas, como a cal ou o sal, a madeira ou a pedra ou reinterpretadas, como cimento e temas universais, como a casa, o caminho aberto pelo Homem contribuem para essa pesquisa do entendimento das relações entre espaço arquitectónico e natural, a articulação entre construção e memória, entre o que é partilha universal e o que é reduto da subjectividade individual.

Realizou a sua primeira exposição individual em 1978, participando em mostras colectivas desde 1968. Integrou as representações portuguesas à Bienal de Veneza (1986), à Trienal de Arquitetura de Milão (1996) e à Quadrienal de Escultura de Riga (2004).

Professor associado convidado no curso de Arquitetura da Universidade Autónoma de Lisboa (desde 1998) e professor no Colégio Moderno (desde 1974). Conferencista convidado no Museu de Arte Contemporânea de São Paulo, na Universidade de Mendrizio, nas faculdades de Letras, de Arquitetura e de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, no Ar.Co, entre outros.

Responsável pela criação e conceção dos catálogos das suas exposições individuais e autor do desenho gráfico de catálogos e monografias para várias instituições tais como a Cinemateca Portuguesa, o Museu Nacional de Etnologia, o Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa, o Museu da Cidade da Câmara Municipal de Lisboa e a editora Livros Horizonte.

Coautor em trabalhos de arquitetura com Ueli Krauss, Miguel Nery, José Manuel Fernandes, Maria de Lurdes Janeiro, Manuel Lacerda, entre outros, e autor dos cenários e figurinos da peça Finis Terra (1994), da Companhia Olga Roriz.

Tem várias obras instaladas no espaço público, nomeadamente nos jardins da Brighton University, da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea e da Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa, para além de ter em curso a implantação de uma obra no Museu Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso (Parque...